BLOG

Pequenas Cirurgias

30 jan

Pequenas Cirurgias

 

Cirurgias são intervenções médicas invasivas no corpo humano, nas quais o médico cirurgião remove ou repara algum tecido doente ou traumatizado.

As cirurgias podem ser divididas em portes de tamanho ou complexidade. Assim, temos cirurgias de pequeno, médio e grande portes.

As cirurgias de pequeno porte ou “pequenas cirurgias”, são aquelas em que o grau de traumatismo ocasionado pelo cirurgião é pequeno, ocasionando poucas alterações sistêmicas. Desta forma, a probabilidade de complicações graves é menor, e a recuperação tende a ser rápida. As pequenas cirurgias geralmente são rápidas e demandam de anestesias loco-regionais, como a anestesia local por infiltração no sitio cirúrgico ou bloqueios de nervos regionais.  Também não requerem internação, sendo realizadas em regime de hospital-dia, onde o paciente fica algumas horas em observação, ou ambulatorial, onde o paciente vai embora imediatamente após o término da cirurgia.

A sedação não é obrigatória para as cirurgias de pequeno porte, ficando indicadas para as pessoas muito ansiosas, que apresentam fobia ou que não são capazes de colaborar com o cirurgião.

Temos inúmeros exemplos de cirurgias pequenas:

  • Ressecção de lesões cutâneas
  • Ressecção de tumores de pele
  • Correção de pequenas cicatrizas
  • Eletrocoagulação de verrugas
  • Vasectomia
  • Postectomia (cirurgia de fimose)
  • Biópsia de lesões
  • Exérese de lipoma
  • Debridamento de feridas
  • Cantoplastia (correção de unha encravada)
  • Plástica do freio bálano-prepucial
  • Correção de fenda do lóbulo da orelha

A estrutura física para realização das cirurgias ambulatoriais é simples, necessitando basicamente de uma maca, um foco cirúrgico, o instrumental e os insumos específicos de cada cirurgia.

 

Para realizar uma cirurgia ambulatorial é necessário passar em consulta com o médico especialista na doença que pretende tratar.

Este profissional irá planejar qual a melhor intervenção para resolver o problema, levando em consideração qual tipo de anestesia será empregado, qual a melhor incisão, quais instrumentos e fios serão necessários e quais os riscos do tratamento proposto.

O paciente ciente dos riscos, aceitando a realização da cirurgia proposta, assina um documento chamado “Consentimento Informado”. É uma constatação formal de que todos os detalhes foram explicados e, por final, o paciente consentiu que fosse realizada a cirurgia.