BLOG

Teste de Papanicolau – Exame Citopatológico do Colo do Útero

25 jun

Teste de Papanicolau – Exame Citopatológico do Colo do Útero

História

O exame para diagnóstico precoce do Câncer do Colo do Útero foi descoberto por volta de 1928 pelo médico pesquisador grego Geórgios Papanicolau. Inicialmente, foi recebido com muito ceticismo, e teve seu uso amplamente aceito somente após a publicação de estudo clínico comprovando sua eficácia no ano de 1939. A técnica do esfregaço de células cervicais logo se tornaria o conhecido Teste de Papanicolau. Como o teste era capaz de detectar câncer antes de qualquer sintoma, os médicos poderiam tratar o câncer antes que ele se espalhasse. Resultado: a mortalidade causada pelo câncer cervical despencou nos países onde ele passou a ser aplicado. Em 1954, Geórgios publicou o “Atlas of Exfoliative Cytology”, um grande trabalho com suas observações e estudos em citologia, incluindo descobertas de doenças em vários órgãos.

 

O que é?

Consiste basicamente na coleta de material do colo uterino com uma espátula especial, sendo este material colocado em uma lâmina e analisado inicialmente ao microscópio por um citologista (biólogo, biomédico ou farmacêutico) ou um médico citopatologista.

 

Como é a coleta do material?

Para a coleta do material é realizado um exame especular, que consiste na introdução um instrumento chamado espéculo na vagina (conhecido popularmente como “bico de pato”, devido ao seu formato), possibilitando que o médico faça a inspeção do interior da vagina e do colo do útero. A seguir, o profissional provoca uma pequena escamação da superfície externa e interna do colo do útero com uma espátula de madeira e uma escovinha. As células colhidas são colocadas numa lâmina para análise, e enviadas ao laboratório especializado em citopatologia.

 

Quem deve e quando fazer o exame preventivo?

Todas mulheres entre 25 e 64 anos e que já iniciaram atividade sexual. Antes dos 25 anos prevalecem as infecções por HPV e as lesões de baixo grau, que regredirão espontaneamente na maioria dos casos. Após os 65 anos, por outro lado, se a mulher tiver feito os exames preventivos regularmente, com resultados normais, o risco de desenvolvimento do câncer cervical é reduzido dada a sua lenta evolução. É importante destacar que a priorização de uma faixa etária não significa a impossibilidade da oferta do exame para as mulheres mais jovens ou mais velhas. A rotina recomendada para o rastreamento no Brasil é a repetição do exame Papanicolau a cada três anos, após dois exames normais consecutivos realizados com um intervalo de um ano.

 

Resultados

Negativo para Câncer: se esse for o seu primeiro resultado negativo, você deverá fazer novo exame preventivo daqui a um ano. Se você já tem um resultado negativo no ano anterior, deverá fazer o próximo exame preventivo daqui a três anos;
Infecção pelo HPV ou lesão de baixo grau: você deverá repetir o exame daqui a seis meses;
Lesão de Alto Grau: o médico decidirá a melhor conduta. Você vai precisar fazer outros exames, como a colposcopia;
Amostra Insatisfatória: a quantidade de material não deu para fazer o exame. Você deve repetir o exame logo que for possível.

Além de servir para a detecção de lesões precursoras do câncer do colo do útero e da infecção pelo HPV, o Papanicolau indica se você tem alguma outra infecção que precisa ser tratada. Siga corretamente o tratamento indicado pelo médico. Muitas vezes é preciso que o seu parceiro também receba tratamento. Nesses casos, é bom que ele vá ao serviço de saúde receber as orientações diretamente dos profissionais de saúde.

 

Referências

https://pt.wikipedia.org/

https://www.febrasgo.org.br/

http://bvsms.saude.gov.br/

 

Saiba mais:

Sobre a especialidade GINECOLOGIA

Sobre OUTRAS ESPECIALIDADES da Dr Examina